segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

Magia de Natal

Nesta época de paz e amor, é fundamental dar a devida importância aos pequenos episódios da vida quotidiana que nos aquecem o alma. É com esta ideia em mente que partilho com vocês um momento que, pela sua natureza natalícia, traz à tona o que de melhor há no coração humano.

Numa tarde calma de dezembro, entrei nos armazéns do chiado com o objectivo de despachar algumas prendas de natal fora das horas típicas de frenesim consumista. Ao subir as escadas deparo-me com a figura do Pai Natal, longas barbas brancas, fardado a rigor, alegremente sentado numa grande poltrona com a respectiva criancinha ao colo, e os papás com um sorriso enternecedor/cara de cu, a tirar fotografias. Terminada a sessão, a família vai-se embora visivelmente satisfeita com o seu momento natalício. O Pai Natal, aproveitando o momento de descanso, coça a cabeça por debaixo do gorro e, virando-se para um rapaz que estava ao seu lado, profere as palavras mais enaltecedoras que jamais se houveram ouvido na história da natividade.

- Pá, que horas são isto, meu?

- Quatro e meia.

- Foda-se! Só saio às sete.

4 comentários:

Patricia disse...

Não sabes que em Pai Natalês "foda-se" quer dizer: "ai estou tão triste por só ter até às sete para fazer a alegria de todas as criancinhas"...

Shame on you!!!

;)

Karin disse...

confessem: no fundo o pai natal exprimiu correctamente o espírito natalício que nos vai na alma. E graças a deus ainda existem pessoas politicamente incorrectas.

Krippmeister disse...

É em "Pai Natalês" e em "Casa Piês"

Karin disse...

hehehe